A ingestão de canela ou a aspiração de preservativos, nova moda entre adolescentes

6933555187_084c260140


Nestes últimos dias e meses está se proliferando na rede um novo tipo de vídeo com certas características comuns. Correspondem a um desafio. Vão desde o “sopro do dragão” até um preservativo sendo expelido pela boca e todos eles são protagonizados por adolescentes. Quem, não contente com sua auto-superação, decide colocá-lo na Internet. Teria a publicidade das redes algo a ver com esta repentina aparição de menores de idade com vontade de superar seus medos?

Dois são os principais desafios que circulam na rede, o desafio da canela” e “o desafio da camisinha. Enquanto o primeiro consiste em tragar uma colher de sopa de canela em pó sem beber água e no menor tempo possível, o segundo desafia a inalar um preservativo por um dos orifícios nasais para, em seguida, expeli-lo pela boca.

Especialistas na medicina já advertiram sobre os riscos para a saúde que trazem essas práticas. A ingestão de canela pode causar asfixia, colapso pulmonar ou irritação de garganta e pode dar lugar nos três meses posteriores a enfermidades como a fibrose pulmonar – a biorresistência das fibras da celulose que compõe a canela faz com que aquela não se dissolva nos pulmões. Por sua vez, a inalação de preservativos pode levar riscos de ruptura do material, podendo ficar um pedaço no orifício nasal, ou até a obstrução pulmonar.T

Entretanto, estas possíveis consequências não inibem aos e às mais jovens de continuar com os desafios. Os quais não fazem somente para si, senão em frente a uma câmera. O sentido do desafio não parece, portanto, a auto-superação, como se mostra ao tragar-se um método contraceptivo para retirá-lo pelo nariz ao invés de se usar em uma relação sexual segura. Nem sequer são desafios que se realizam para se sobrepor aos medos próprios ou alheios, pois não se executam na vizinhança ou em frente a uma pessoa querida. Não, são desafios cujo fim e razão de ser é a popularidade, tornar-se conhecido. Daí vem a solitária atuação em toda a cena frente uma câmera.

Assim, pois, o “se atreva a” viu-se superdimensionado neste mundo globalizado. Ao qual soube adaptar-se adotando um formato para todos os públicos. Não são desafios que requeiram uma grande infraestrutura, necessita-se de um único elemento a manipular – em geral de comum presença nos lares ocidentais, internet – meio sem o qual não se haveria chegado a conhecer o desafio – e uma câmera – webcam, digital ou smartphone. E mais, tampouco requerem grandes habilidades, nem físicas nem fotogênicas, pois nem o desafio e nem a câmera vão além do rosto. A facilidade junto com a publicidade, somadas à capacidade da rede de normalizar certas práticas graças a sua repetição e multiplicação, fizeram destes desafios um grande atrativo para o público mais jovem, que apesar dos ricos à saúde já citados continuam praticando-os.

Por isso é importante educar os e as adolescentes não só sobre o uso da internet senão na formação de certo critério na hora de estabelecer onde acaba o divertimento e começam os riscos para a saúde, assim como na relativização da publicidade, da viralidade e essa pseudo-normalização de nossa era digital.

Fonte: Artigo em El Correo, de 25 de Abril de 2013, La canela perjudica seriamente a la salud si se toma a cucharadas” e artigo do O Globo, de 24 de abril de 2013, “Jovens aspiram camisinha pelo nariz em vídeos publicados na internet”.

Lançamento do livro “Vivendo ESSE mundo digital”

Banner ESSE MUNDO Livro

 

No próximo dia 16 de maio, no Espaço Cultural João Calvino – Universidade Presbiteriana Mackenzie, terá lugar o lançamento do livro “Vivendo ESSE mundo digital: Impactos na saúde, na educação e nos comportamentos sociais”.

O livro trata as consequências nos níveis educativos, sociais e de saúde do mundo digital e foca-se em certas questões como o sexting, a sextorsão e o grooming, riscos relacionados ao uso da internet e principalmente ao envio de conteúdos próprios de teor sexual. Assim mesmo, centra-se na proteção da privacidade no uso das redes sociais e faz questão do uso seguro das tecnologias da informação e da comunicação.

Conta com a colaboração de Jorge Flores, Diretor e Fundador de TelasAmigas –inciativa pela  promoção do uso seguro e saudável da Internet e o fomento de uma cidadania digital responsável na infância e na adolescência– quem redigiu os capítulos “Sexting, sextorsão e grooming” e “Redes sociais, privacidade, uso seguro da tecnologias de informação e comunicação”.

Junto com o lançamento haverá uma sessão de autógrafos da qual farão parte os organizadores do livro Cristiano Nabuco de Abreu, Evelyn Eisenstein e Susana Graciela Bruno Estefenon.

Data: 16 de maio (quinta-feira) Horário: 18h

Local: Espaço Cultural João Calvino – Universidade Presbiteriana Mackenzie

Endereço: Rua da Consolação, 930, São Paulo / SP.

 

 

Sexting no Brasil: envio e publicação

vertical-Brasil-PT

 

Segundo a definição primigênia de sexting, a qual também foi utilizada no percurso da pesquisa “Sexting, uma ameaça desconhecida”, esta prática consiste no envio de mensagens com conteúdo sexual, principalmente fotos ou vídeos, produzidos pela própria pessoa remetente ou com sua permissão, a outras pessoas através do celular.

Porém, como afirma Jorge Flores, Diretor e Fundador de TelasAmigas, “este termo tem se ampliado. Hoje utiliza-se também para se referir à mera transmissão de imagens de alto conteúdo sexual entre celulares sem a intervenção do protagonista ou para proporcionar imagens sensuais a terceiras pessoas, embora não tenham sido tiradas nem enviadas pelo smartphone”. Mudanças no significado que atingem principalmente ao sujeito que bate a foto ou filma o vídeo e aos canais de envio ou publicação das imagens.

No Brasil 27% das pessoas que responderam à enquete afirmaram possuir fotos ou vídeos envolvendo nudez, mas a porcentagem da população que publicou-as nas suas redes sociais é menor, 9% as subiram aos seus perfis, mesmo de forma privada ou restrita para seus contatos específicos. Aqui o comportamento de homens e mulheres é diferente. Eles possuem tanto mais fotos quanto mais vídeos envolvendo nudez do que elas, 21% frente a 16% e 11% frente a 9% respectivamente. Mas considerando apenas as imagens realizadas por outras pessoas a proporção também é alta e diferente segundo o sexo, 9% delas e 11% deles tiveram fotos tiradas por outras pessoas e 4% delas e 6% deles foram filmadas.

Mas o consentimento é uma variável muito importante a ter em conta. Pois 3% dos homens e das mulheres tiveram tiradas fotos de conteúdo sexual sem sua permissão e 1% delas e 3% deles foram filmados da mesma forma. O fato dessas imagens terem sido feitas sem sua permissão revela um grande risco de posterior divulgação, pois se a opinião da pessoa que aparece nas imagens não foi levada em conta na hora da sua realização, não parece existir razão para que o seja no futuro.

Contudo, também não se deve tirar importância do fato das pessoas tirarem fotos ou vídeos delas. No início parece uma prática sem risco, mas casos como o que aconteceu com a atriz Carolina Dieckmann –cujas fotos foram vazadas do seu computador e divulgadas na internet- revelam como sempre que estejam armazenadas podem ser acessadas por outra pessoa, mais ainda quando estiverem no celular, aparelho mais susceptível de ser perdido ou furtado.

Com respeito ao envio de sexting, os homens praticam-no muito mais do que as mulheres. Quase a metade, 44% deles, mandou fotos, vídeos ou mensagens de conteúdo sexual, enquanto a porcentagem de mulheres foi 11 pontos menor. Elas apenas superam os homens no envio de mensagens de texto de conteúdo sexual próprio, 72% frente a 67%, mas quando são de outras pessoas já mandam menos, 24% frente a 25%.

Enquanto ao envio de fotos e vídeos, sejam das próprias pessoas remitentes ou de outras, eles enviam mais do que elas. 32% dos homens afirmaram ter enviado fotos suas nus, 32% ter mandado fotos de outras pessoas nuas, 17% encaminharam vídeos próprios de conteúdo sexual e 24% vídeos de terceiras pessoas. Elas afirmam não mandar tanto sexting e a porcentagem é especialmente menor em relação aos vídeos, 9% delas mandou vídeos nuas percentagem que se repete quando aqueles eram de outras pessoas. As mulheres também enviam mais fotos, 29% mandaram imagens próprias de conteúdo sexual e 10% fotos de outras pessoas.

Os canais de envio preferidos dependem do tipo de conteúdo que esteja se mandando. Para as fotos íntimas 49% escolheram aplicativos de envio de mensagens e 48% as redes sociais, para os vídeos íntimos 25% optaram pelas redes sociais e 24% pelos aplicativos e para o envio de mensagens de texto de íntimas 89% preferiram os aplicativos e 87% os SMS/MMS.

Os resultados revelam então três conclusões importantes.

–        A mudança do significado do termo sexting, se antes estava circunscrito ao envio através de celular hoje são outros canais os preferidos pelas pessoas usuárias, principalmente os aplicativos de troca de mensagens e as redes sociais.

–        Os homens enviam mais sexting do que as mulheres. E mais, mandam conteúdos que podem gerar mais riscos, pois a facilidade na identificação de uma pessoa em uma foto ou vídeo faz com que essa pessoa também seja um alvo mais fácil para as ridicularizações.

–        O sexting pode derivar em cyberbullying ou chantagem. O fato de as pessoas tirarem fotos ou filmarem vídeos de outras pessoas, até sem a permissão delas, pode ser uma arma para uma possível e posterior chantagem. Por sua vez, se as pessoas ficam repassando as fotos e vídeos íntimas alheias que receberam de uma pessoa que está sofrendo cyberbullying estarão acrescentando e piorando a situação.

Mais informações sobre a pesquisa

Nos dias 16 e 17 de maio ocorrerá o II Encontro Internacional sobre o Uso das Novas Tecnologias da Informação

ESSE Mundo Digital I

O II Encontro Internacional Sobre o Uso de Tecnologias da Informação por Crianças, Adolescentes, Jovens e Adultos, organizado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, celebrara-se no Campus de Higienópolis, em São Paulo.

A conferência continuará com o trabalho inicializado na primeira edição do Encontro celebrada em 2012 na cidade do Rio de Janeiro. Na ocasião debateu-se sobre ética, segurança, saúde e educação no uso da tecnologia pelas crianças e adolescentes e contou com a participação de Jorge Flores, fundador e diretor de TelasAmigas, que ministrou uma palestra sobre “Privacidade, Sexting e Grooming”.

Dessa vez, e querendo fazer da rede uma ponte de diálogo entre gerações, o Encontro  focará principalmente em perigos e riscos na internet (cyberbullying, grooming, delitos cibernéticos…), saúde e internet, educação digital e inclusão social e ética e valores na era digital.

O Encontro contará com a participação de especialistas nacionais e estrangeiros.

As inscrições podem ser feitas aqui.

 

Brasil é o país que mais utiliza as redes sociais do mundo

redes-sociais

 

Segundo um estudo da empresa consultora comScore publicado em fevereiro desse ano as brasileiras e os brasileiros são a população que mais utiliza as redes sociais do mundo. A média está em treze horas mensais de uso.

Perante a Argentina, pais com maior número de perfis no Facebook, com 8,7 horas mensais de utilização das redes sociais, o Brasil destaca-se junto com o continente latino-americano, o qual supera os demais com a maior média regional de conexão às redes sociais, 9,5 horas frente às 5,1 horas mundiais.

A explicação da consultora é a sociabilidade da população latino-americana. Adjetivo que se eleva então ao máximo entre os brasileiros e as brasileiras. Mas seu grau de sociabilidade parece se dividir entre diferentes redes sociais, pois é a população argentina a que tem um maior número de perfis no Facebook. No Brasil utiliza-se também o Orkut junto com outras redes sociais como Twitter.

 

Fonte: Artigo no Eldiario.es, 9 de abril de 2013, http://www.eldiario.es/turing/Facebook-obsesion-latinoamericanos_0_118638283.html

 

Duplamente vítimas de sexting : criminalização no âmbito profissional

Bondi_skole_schoolyard_2011_09_16

O fenômeno do sexting, anglicismo proveniente da conjugação sex (sexo) + texting (envio de SMS), é uma prática crescente . Se no início circunscrevia-se ao envio e recebimento de imagens e vídeos de conteúdo sexual através de telefones celulares, atualmente tem abrangido outros aparelhos digitais, como os computadores, ampliando também as suas consequências.

Um dos principais riscos derivados da prática de sexting é a sextorsão, ser vítima de uma chantagem sexual originada a partir do  envio de imagens próprias. O objetivo  da coação vai desde ganhar dinheiro até obter mais vídeos ou fotos eróticas. A ameaça ligada , geralmente, é sempre a mesma e consiste na publicação das imagens ou no envio aos/às parentes, amigos/as  e pessoas queridas.

Porém, às vezes as coações vão mais além e atingem não só a vida pessoal ,mas também a vida profissional da vítima, seja ela estudante ou trabalhadora. A vinculação das imagens eróticas com a web da instituição de ensino ou com a empresa empregadora pode não somente afetar a sua vida pessoal,  como também arruinar  sua vida profissional presente e futura.

No entanto, da mesma forma que chamamos a atenção para  a importância de que parentes e amigos/as  ajudem às vítimas de sextorsão, também devem fazê-lo as instituições em que elas participam. A solução não está em criminalizar a quem sofre coações, isso só intensifica o problema. Consiste, porém, em oferecer apoio à vítima e em identificar o autor ou a  autora para, depois, iniciar uma campanha de repúdio contra essas  práticas e, se for necessário, acudir à polícia.

É mais, também não consiste em ignorar o problema, pois só reafirma  a vítima na sua condição. O caso de Amanda Todd é exemplo disso. Durante três anos sofreu cyberbullying de seus/suas colegas em diferentes escolas sem que essas instituições fizessem  nada. Uma captura  da imagem da sua webcam enquanto ela, com 12 anos, estava sendo  enganada para mostrar seus seios e seu  posterior envio aos amigos/as  e parentes por parte do aliciador, foi o início do seu calvário, o qual, infelizmente, finalizou-se somente com o seu suicídio.

Devemos, então, ter sempre claro que quem aparece na foto é vítima de um delito e, em nenhum caso, está manchando o nome de instituição nenhuma, seja ela qual for. Tirar-se fotos de conteúdo erótico e enviá-las é uma prática que se enquadra em uma relação íntima e não fere ninguém. Por isso, toda ação que traia essa confiança merece um absoluto repúdio assim como um total apoio a quem está vendo sua honra, intimidade e privacidade violadas.

 

Ergonomia e saúde no uso de computadores por crianças

Ergonomia computador

(Um artigo de Jorge Flores Fernández, diretor de TelasAmigas.)

Conectados ou não a Internet, crianças e adolescentes passam muitas horas em frente ao computador a cada semana sem que prestemos atenção em como eles o fazem e suas possíveis consequências para a saúde, em particular, problemas de visão e musculares.

Em TelasAmigas abordamos os diferentes tipos de telas e seu uso desde um ponto de vista integral e, especialmente, desde o sentido de saúde completa tal como define a OMS, Organização Mundial da Saúde: “é um estado completo de bem-estar físico, mental e social, e não  somente a ausência de condições ou enfermidades”.

A partir desta perspectiva estamos trabalhando desde o nosso inicio, em 2004, com maior ênfase nos riscos que poderiam supor danos psicológicos, que eram menos conhecidos e, portanto, menos evidentes: conteúdos nocivos, cyberbullying, aliciamento, sexting, perda de privacidade… Entretanto, não esquecemos a visão ergonômica do assunto, ainda que neste caso ignoramos os riscos psicossociais ligados especialmente ao estresse e a ansiedade.

Durante mais tempo, em mais lugares, desde idades mais precoces.

Ergonomia computadorCrianças e adolescentes vêm aumentando sua dose diária de contato com as telas de forma vertiginosa. Os computadores estão ganhando o espaço doméstico e também o âmbito escolar. Além disso, a idade de início do seu manuseio está em declínio contínuo enquanto estão se tornando imprescindíveis para o seu dia-a-dia e sua vida social. Entretanto, não estamos prestando atenção em que seu uso seja adequado desde um ponto de vista da saúde física, onde caberia apontar especialmente os problemas musculares e os visuais.

O uso do computador pode causar problemas de saúde?

Desde o âmbito da prevenção de riscos no trabalho,  aqueles trabalhadores que usam monitores (tecnicamente denominadas PVD, telas de visualização de dados) por mais de 4 horas ao dia ou 20 horas por semana devem ser submetidos a orientações específicas de monitoramento da saúde e seu posto de trabalho deve ser examinado e adequado. Isto porque considera-se que este período pode causar-lhes danos ao longo do tempo, se não existir condições adequadas. E as crianças e os adolescentes? Talvez não atinjam esses parâmetros limite, mas é certo que estão em fase de desenvolvimento e seus danos podem ser maiores. Eles são chamados de   nativos digitais mas não pensemos que já estão preparados para ficarem colados a uma tela  de forma imune.

Alguns dados sobre os efeitos do uso intensivo e inadequando de computadores

Problemas visuais e oculares

  • Conforme a publicação da revista Scientific American, não manter uma distancia adequada com a tela, e abusar de seu uso sem descanso pode acarretar problemas de tensão ocular e no futuro, causar glaucoma. A falta de condições adequadas (de luz, distância da tela, evitar descansos…) provoca também a mudança da forma como se pisca (cada vez se pisca menos para ser mais produtivo na hora de visualizar rapidamente o conteúdo da tela). Deve-se piscar de 12 a 15 vezes por minuto, entretanto os usuários de computadores tendem a piscar 4 ou 5 vezes por minuto.
  • Outras fontes alertam sobreo aumento dos casos de miopia em 66% desde a introdução dos computadores pessoais.

Os problemas de visão pelo uso do computador afetam a mais de 90% dos usuários que utilizam o monitor por 3 horas ou mais ao dia segundo cita este estudo sobre consumo de telas.

Problemas osteomusculares

  • Segundo um estudo, 50.9% dos meninos e 69.3% das meninas já sofreram de dores nas costas antes de completar os 15 anos, uma circunstância que ao chegar à idade adulta pode tornar-se crônica e inclusive afetar sua vida profissional.
  • O STC, ou Síndrome do Túnel do Carpo, dores no pulso associada a movimentos repetitivos, começa aparecer em crianças de idade precoce. É raro em menores de 10, mas cada vez mais frequente em adolescentes, segundo informa este artigo.
  • 25% dos espanhóis maiores de 16 anos sofrem dor lombar ou cervical, segundo a pesquisa Europeia de Saúde na Espanha de 2009.

Cultura saudável no uso de dispositivos eletrônicos com telas

Embora existam vários dispositivos (videogames portáteis, smartphones, tablets, desktops) e cada qual tem suas próprias recomendações, fundamenta o comum denominador da cultura da saúde associada com as condições ergonômicas no uso de telas. Consideramos que em nossa sociedade, nas famílias e os centros educativos, não existe conhecimento suficiente e sensibilidade sobre este assunto que afeta as crianças. No entanto, em TelasAmigas temos o compromisso de ir mais além e que sejam os próprios protagonistas quem tomem consciência da importância de uma boa postura, da orientação do monitor, da comodidade do assento… sabendo adaptar por si só as condições, mudanças, em cada contexto de uso.

Para isso recorremos, como é habitual, à narração audiovisual, sem dramatismos e com humor, produzindo esta sequência animada:

Seu uso com menores de 8 a 11 anos vem demostrando como tomam parte da historia e se posicionam apoiando à criança que protagoniza a cena. Conhecida a dinâmica de tomadas falsas,inclusive aplaudem quando a cena é bem feita após as recriminações do adulto, um severo diretor de cinema.

TelasAmigas alerta sobre o uso inadequado do Twitter entre adolescentes e elabora um decálogo de recomendações

Naughty_tweet
  • Esta rede social está convertendo-se em uma nova ferramenta de comunicação entre adolescentes que se soma ao uso do Orkut, Facebook e Whatsapp
  • Uma indiscrição, um erro ortográfico, um rumor, um comentário humilhante, uma difamação, uma ameaça ou a revelação de fotos intimas são males que se ampliam e expandem nesta rede social.

As ferramentas em forma de aplicativos que temos à disposição evoluem a cada dia. A população adolescente costuma ser a primeira em usá-las, pois fizeram do smartphone uma extensão do seu próprio corpo. Se uma aplicação lhes oferece algo útil, se faz algo melhor do que outras, seu uso corre como pólvora e fica instalada entre os botões preferidos do telefone inteligente, embora durante um tempo variável e sempre limitado: semanas, meses ou inclusive anos nos casos de maior êxito.

Assim manifesta Jorge Flores, fundador e diretor de TelasAmigas, “não há melhor observatório do que o contato direto e permanente com os jovens. Estamos nos centros educativos cada dia e ali perguntamos e nos confessam suas últimas preferências. Há poucos meses nos surpreendeu como, aos 13 ou 14 anos, muitos começam a incorporar o Twitter entre suas ferramentas do cotidiano. Esta tendência segue crescendo e embora não haja estudos que respaldem o dado atualmente na Brasil , se trata de uma realidade palpável que emergiu e, como outras, com muita celeridade.

O que o Twitter contribui aos adolescentes?

Dispõem de Orkut, Whatsapp, Facebook…, por que o Twitter? Eles confessam em muitos casos que é uma ferramenta que começou a ser aceita não só como canal de informação, mas que serve inclusive para participar de conversas e fóruns através do uso de hashtags: se vê na imprensa rosa, nos programas de esportes, na publicidade… A partir daí começam a usar a ferramenta para comunicar em 140 caracteres, de forma aberta ou a um grupo limitado.

Diferente das redes sociais tradicionais, não precisa de contato prévio e, ao contrário do Whatsapp, muito menos número de telefone. É rápido de instalar e utilizar, simples, gratuito, não pede dados pessoais nem revela relações, permite compartilhar fotos e vídeos, tem integração com outras redes sociais e não usa publicidade invasiva: múltiplas vantagens e oportunidades abraçadas por meninos e meninas.

A aterrisagem, ou melhor, a decolagem de menores no Twitter está crescendo como o estão as contas de perfis de pessoas adultas. Assim, um estudo da Pew Research Center aponta que cada vez mais adolescentes migram ao Twitter: desde setembro de 2009 até julho de 2011 a porcentagem de adolescentes de 12 a 17 anos no Twitter duplicou de 8% para 16%.

Com dados mais recentes, o estudo sobre o comportamento dos adolescentes online da McAfee de junho de 2012 revelou que depois do Facebook (89,5%), Twitter é a rede social mais popular (48,7%).

Mal uso do Twitter: cyberbullying e delitos contra a intimidade, a honra e a imagem

Ainda que as características principais desta rede sejam sua horizontalidade, viralidade e imediatismo, isto fez com que surgissem ou agravassem determinados problemas. Segundo Jorge Flores, “grande parte do problema tem suas origens em três causas. Em primeiro lugar, escrevem como se fossem o mural de sua rede social fechada: não percebem o restante da audiência e suas possíveis relações. Em segundo lugar, desconhecem as consequências legais de suas ações. Por último, o imediatismo: como muito 140 caracteres, no máximo 30 segundos, aqui e agora…  E pronto! Em certas ocasiões é um descuido, mas quase sempre é por pura imprudência e infelizmente, em outras ocasiões, por má fé, já que é uma forma simples de prejudicar alguém”. O caso ocorrido em Cádiz, Espanha, com a difusão inicial e a replicação irresponsável das imagens de três adolescentes em ato sexual é o último caso que alarmou a sociedade.

Segundo o estudo de McAfee citado, 92,6% dos adolescentes foram testemunhas de cyberbullying através do Facebook e 23,8% no Twitter.

Decálogo de TelasAmigas para um uso seguro e responsável do Twitter

Com o objetivo de promover a reflexão sobre os aspectos chave para o uso sem riscos do Twitter, TelasAmigas elaborou dez recomendações:

1. Configure a privacidade da sua conta se deseja controlar quem lhe segue.

2. Use uma boa senha, mude-a de vez em quando e não a compartilhe.

3. Se alguém incomoda você, peça ajuda a alguma pessoa de confiança e bloqueie e ignore quem o faz.

4. Evite realizar  tweets que possam prejudicar emocionalmente outras pessoas ou ofendê-las.

5. Não esqueça que você é responsável pelo que escreve, mesmo que sua identidade não seja revelada.

6. Tenha em conta que um tweet público pode chegar também a quem não te segue.

7. Lembre que o Twitter é uma rede interconectada onde um comentário inapropriado pode ser visto por quem menos você imagine ou lhe convenha.

8. Pense bem antes publicar um tweet. Twitter é um espaço público de amplo alcance e usá-lo têm implicações importantes.

9. Fuja de conflitos desagradáveis. Compartilhar opiniões é positivo, mas existem pessoas e situações que podem trazer problemas.

10. Certifique-se se o que você escreve afeta a privacidade das demais pessoas e como isso pode lhes influir.

 

Sexting, uma das principais preocupações nas escolas de Grã-Bretanha

UK Flag

Segundo um levantamento do Departamento de Educação da Grã-Bretanha três mil crianças foram afastadas no período letivo 2010/2011 das escolas daquele país por comportamento sexual impróprio. Os principais motivos das expulsões abrangem o bullying sexual, assédios e ataques e até um comportamento obsceno.

Considera-se a internet como um dos principais fatores que acelera a idade de iniciação nos contatos sexuais e que, além disso, influencia a forma das crianças e adolescentes se relacionarem, especialmente no âmbito sentimental e/ou sexual. Exemplo disso é a já rotineira naquele país prática de sexting, é dizer, do envio de mensagens de conteúdo erótico ou envolvendo nudez –principalmente vídeos ou fotografias- bem produzidos pela própria pessoa bem por outra com o consentimento daquela e mandadas para uma terceira, geralmente através do celular.

O sexting é, segundo o levantamento, uma das principais preocupações nos colégios da Grã-Bretanha. Fenômeno cujas alarmante normalização já deu a conhecer o canal de televisão britânico Channel4 na reportagem A geração do sexo: fotos explicitas, a norma entre adolescentes (Generation sex: explicit pics ‘the norm’ for teens, em inglês)  publicada em dezembro de 2012. Nesta mostrava-se como alguns conteúdos de fácil acesso na internet, como o pornô, influenciam os relacionamentos entre crianças, de um lado, criando um sentimento de superioridade entre os meninos, que chegam até a exigir fotos envolvendo nudez delas, e, do outro, gerando patrões de beleza inatingíveis.

 

Fonte: artigo no The Christian Post Escolas britânicas afastam 3 mil alunos por ano por conduta sexual imprópria, de 2 de abril de 2013, e reportagem do Channel4 Generation sex: explicit pics ‘the norm’ for teens, de 11 de dezembro de 2012.

 

A entrada em vigor da Lei “Carolina Dieckmann” estabelece punições específicas para os crimes cibernéticos

Carolina_Dieckmann_01

Nesta terça-feira, 2 de abril, entrou em vigor a Lei 12.737/2012, que  considera crime a invasão de sistemas e aparelhos eletrônicos como celulares, computadores ou redes para a obtenção de dados particulares.

Também conhecida como lei “Carolina Dieckmann pelo vazamento de 36 fotos íntimas do correio eletrônico da atriz, foi sancionada em dezembro do ano passado para dar resposta aos novos crimes surgidos no âmbito informático.

A recente lei pune com multa e prisão de três meses a um ano a quem invada dispositivo informático alheio e estabelece uma pena maior caso as informações obtidas sejam comunicações eletrônicas privadas ou segredos comerciais ou industriais, em concreto, de seis meses a dois anos de prisão e multa.

A divulgação, comercialização ou transmissão dos dados ou informações a terceiras pessoas aumenta também a pena, nesse caso de um a dois terços.

A intenção da lei é proteger a privacidade de quem navega na internet, mas não deve ser um instrumento para as pessoas se relaxarem e deixarem seus sistemas sem proteção. O especialista em Direito Eletrônico, Afonso Silva, adverte que “a partir do momento que a pessoa também não se protege, ela fica descoberta da lei federal”.

Além disso, especialistas criticam as penas estabelecidas pela lei assim como a falta de discussão em torno dela.

Fonte: Lei 12.737/2012 e artigo na Globo Especialista em Direito Eletrônico explica Lei Carolina Dieckmann, de 3 de abril de 2013.