A difusão humilhante de imagens é a forma de cyberbullying que mais dano faz

ciberbullying-alemania-IKG-cyberbullying-bei-schulerinnen-und-schulern

Segundo um inquérito on-line realizado entre alunos de colégios alemães pelo instituto IKG da Universidade de Bielefeld, aproximadamente a metade das vítimas do cyberbullying sentiram-se muito molestas pela distribuição de fotos humilhantes. O estudo, dirigido pelo Dr. Peter Sitzer e Julia Marth buscava descrever as diversas feições do cyberbullying na Alemanha.

Um de seus achados foi determinar que algumas formas do cyberbullying produzem na vítima piores consequências que outras, como é o caso das fotos e vídeos distribuídos pelos ciberabusadores para ridiculizarem ou humilharem a vítima. Os autores do estudo explicam que esta forma do cyberbullying é especialmente difícil de controlar porque as imagens digitais podem ser reproduzidas e distribuídas um número ilimitado de vezes e assim chegarem a um público também potencialmente ilimitado. Outros tipos de cyberabuso como o tratamento insultante, desprezativo ou ameaçante só foi percebido como muito molesto por um quarto dos estudantes entrevistados.

Por outro lado o estudo revela que as estudantes alemãs sofrem também um tipo de cyberacosso sexual pelo qual, contra seu desejo, são requeridas insistentemente para falarem on-line sobre sexo, comummente por gente que conhecem pouco ou nada.

Os estudantes também reconhecem no inquérito que a forma mais comum na que cyberagridem outros é mediante insultos, ridiculização ou ameaças. A difamação e o cyberacosso com contações sexuais também são frequentes. Também revela o estudo que há mais escolares que dizem ter reenviado fotos e vídeos de outros dos que sabem que ditas imagens humilhantes deles estão circulando.

Os pesquisadores aconselham tomar medidas firmes quando se produzem estes casos: segundo mostra o inquérito mais da metade dos cyberbullies reconheceram que seus ataques não lhes tinham suposto nenhuma consequência negativa para eles.

Fonte: Riesgos en Internet

Também pode lhe interessar

O sexting é algo normalizado entre os jovens da «geração Internet»

sexting-study-sph-umich-edu

Segundo um estudo dado a conhecer pela Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, a prática do sexting pode ser algo normal entre os que cresceram com Internet e outras tecnologias digitais, e uma prática «saudável» dos relacionamentos modernos.

O estudo, que é o primeiro em focar sobre o impacto do sexting na saúde, foi efetuado sobre 3.447 mulheres e homens de 18 a 24 anos (jovens adultos) e descartou que nestas idades exista relacionamento do sexting com comportamentos sexuais arriscados ou com problemas psicológicos. Os autores do estudo advertem de que as histórias negativas em torno do sexting costumam se dar entre adolescentes e preadolescentes, um grupo mais jovem que o que analisaram neste estudo.

O estudo revelou também que quase a metade dos participantes realizavam sexting, maioritariamente de tipo recíproco (receber e também enviar sexting).

Entre os problemas cujo relacionamento com o sexting se pretendia analisar —dentro do contexto do impacto da tecnologia sobre a sexualidade e a saúde— figuravam: o sexo sem proteção, a depressão, a ansiedade e a baixa auto-estima.

O estudo foi produzido conjuntamente pelo Laboratório de Sexualidade e Saúde e o Centro de Investigação para a Prevenção, ambos parte da Escola de Saúde Pública da Universidade de Michigan, e será publicado proximamente no Journal of Adolescent Health.

Fonte: Riesgos en Internet

Mais sobre o sexting

No Brasil 21% dos usuários já se desmarcaram de fotos nas redes sociais

problemas-marcacoes-sem-permissao-privacidade-redes-sociais

Uma pesquisa realizada pela Hi-Mídia aponta que os brasileiros dizem levar a sério a segurança online. Para se proteger, 87% dos entrevistados afirmaram manter o antivírus atualizado, 79% tomam cuidado com os sites acessados, 78% não abrem e-mails de desconhecidos e 77% realizam compras somente em lojas online confiáveis.

Somente 11% dos entrevistados acreditam que os smartphones e tablets sejam completamente seguros.

Além da preocupação com a segurança no uso geral da internet, os usuários também demonstram algum cuidado com a privacidade nas redes sociais. 45% possui perfil privado no Facebook, visível somente por amigos, menor que 59% nos EUA. No entanto, os cuidados são negligenciados com os elevados percentuais de compartilhamento de fotos (63%), vídeos (29%), informações pessoais (35%) e de localização (14%).

De acordo com a pesquisa, há entre os internautas o cuidado com a reputação nas redes sociais: no Brasil, 21% dos usuários já se desmarcaram de fotos, contra 37% nos Estados Unidos. Retirar alguém da lista de amigos foi uma ação feita por 38% de brasileiros e quase 45% de usuários já apagaram comentários postados.

Mais de 70% dos entrevistados têm cuidado com o que escrevem e compartilham, o que pode justificar o percentual de apenas 23% de usuários que já se arrependeram de algum conteúdo postado.

Entre os cuidados tomados no Facebook, 73% dos brasileiros afirmaram recusar a convites de amizade feitos por desconhecidos, 71% estão atentos aos arquivos que recebem e 57% só instalam ou acessam aplicativos considerados seguros. Considerando as normas de segurança e privacidade, 41% dos internautas não confiam no Facebook no que se refere à privacidade de seus dados pessoais.

Fonte: IDGnow

Você tem vida privada de verdade (nas redes sociais)?

Campanha #MARCAÇÕESsempermissãoNÃO

A metade dos adolescentes dos Estados Unidos recebe pedidos para fazer sexting

sexting-02-telemoveis-telefones-celulares-ilustracao-COPYRIGHT-telasamigas-EDEX-CRC

Um estudo publicado nesta semana e realizado pela University of Texas – Medical Branch Health entre adolescentes de 14 a 19 anos que estudavam em institutos públicos dos EUA, revelou que mais de 1 quarto dos adolescentes enviara uma foto de si mesmos nus por meios eletrônicos, que a metade recebia pedidos para o fazer e que 1 em cada três realizava tais petições. O estudo também mostrou que o mais comum é que os garotos lho peçam às garotas (ao 27% delas lhes molesta muito) e que os que realizam sexting coincidem em maior número com os que saem com alguém e também com os que mantêm relacionamentos sexuais. No caso das garotas o estudo relaciona-o com práticas como o consumo de álcool ou drogas antes do sexo ou o sairem com múltiplos garotos.

O estudo, que foi publicado na revista Arquive of Pediatrics & Adolescent Medicine, inclui recomendações para que se suavizem as consequências legais do sexting consentido, porque se extrapolarem os dados do estudo, advertem os autores, vários milhões de adolescentes poderiam ser acusados de pornografía infantil por causa do sexting. Também se dirige aos pediatras, para que estejam atentos a este comportamento como possível indicador de riscos sexuais e devido ao muito tempo que passam os adolescentes utilizando os denominados meios sociais.

Fonte: Sexting.Wordpress.com

Recorde os conselhos animados da TelasAmigas a respeito do sexting (em espanhol):

Não o gere

Não o retransmita

Não o solicite

Mais informação e dicas em Sexting.es (em espanhol). E as últimas notícias de diversas fontes acerca do sexting em Stop-Sexting.info.

Hipersexualização de menores: meninas de só 11 anos participam em sessões de cybersexo via webcam

estupro-online

A ONG britânica Family Lives publicou ontem um relatório sobre sexualização e hipermasculinidade dos meninos. Este estudo indica entre outros dados que existe uma tendência em crescimento de violações entre meninos.

Os meninos varões, segundo o estudo, percebem que as meninas com pouca roupa merecem ser violadas, e que a violência contra as mulheres é aceitável.

O estudo também adverte de que meninas de 11 anos participam em sessões sexuais através da webcam.

Os autores do estudo achacam estes fenômenos à pornografia facilmente acessível on-line e a que os pais não fazem o suficiente para evitarem que acedam a este tipo de conteúdo. Outros estudos centrados no sexting entre menores e que analisam suas causas ou motivações, ressaltaram os possíveis efeitos da atual cultura audiovisual presente na TV, na música, etc. sobre estes fenômenos de machismo e hipersexualização.

Fonte: Violencia Sexual Digital

Notícias relacionadas

Brasil, un dos países do mundo onde mais preocupa o cyberacosso entre menores

microsoft-cyberacosso-brasil-menores-idade-criancas-adolescentes

Em um recente estudo realizado pela Microsoft em 25 países identificou-se que o cyberbullying no Brasil se mantém dentro da média, com um 36% de crianças entre 8 e 17 anos afetados por este tipo de problemas.

  • O 10% sofreu mau trato por outros usuários on-line.
  • O 25% sofreu debocha ou ataques.
  • O 14% foi insultado.

O conhecimento que mostram os menores brasileiros é amplo com um 71% que dizem saber “muito ou algo” sobre o cyberbullying, assunto que preocupa ao 81% deles (mais às garotas: 85% em frente a 77%). A partir de 13 anos são mais conscientes do tema: 82% em frente a 60% dos mais pequenos. Junto de Espanha, Brasil é o país onde mais preocupação existe entre os menores a respeito do cyberacosso.

O 20% admite causar cyberbullying a outras pessoas: nestes casos, os cyberacossadores têm mais probabilidades de ser também cyberacossados (52%).

Aproximadamente a metade dos pais falam com seus filhos sobre os problemas de Internet, controlam o uso que seus filhos fazem da Rede e educam aos menores sobre como devem ser comportado on-line. As garotas de 8 a 12 anos são as mais monitoradas por seus pais. O 34% perguntou-lhes a seus filhos se sofreram cyberbullying.

Nas escolas o 23% tem normas acerca do bullying on-line e o 45% oferecem formação específica (24% para professores, 22% para pais, 34% para alunos).

Estatísticas do bullying online: Brasil comparado com média dos outros países

Fonte: Microsoft

O cyberbullying entre as crianças translada-se aos videogames na Internet

riscos-redes-sociais-computador-ilustracao-COPYRIGHT-telasamigas-EDEX-CRC

Um novo estudo da ONG britânica Beatbullying revelou que de 21% de meninos de 8 a 11 anos que sofreram cyberbullying, mais de 1/4 (27%) o padeceram enquanto jogavam on-line. Revelou também que um terço dos pais não monitoram o que seus filhos fazem em Internet. O estudo, baixo o título de Violência Virtual II, elaborou-se a partir de inquéritos a 1.564 meninos do Reino Unido e foi financiado pelo Fundo Nominet.

Detectou-se também que os meninos se expõem de maneira não controlada à tecnologia a cada vez a idades mais temporãs. Quase 2/3 dos meninos de 8 a 11 anos têm seu próprio telemóvel, que usam a esta idade em sua maior parte para jogar (73%). Muitos dispõem também de um PC, uma tablet ou uma consola com conexão a Internet.

Fonte: Riesgos en Internet

Metade das injúrias pesquisadas pela polícia espanhola acontecem nas redes sociais de Internet

RRSS_03_telas copia

Dois recentes casos em Málaga (Espanha) põem de relevo que as redes sociais são utilizadas para o cyberacosso em forma de injúrias e ameaças e que com frequência incluem a suplantação da identidade on-line da pessoa atacada. Os protagonistas na rede social espanhola Tuenti costumam ser jovens, em ocasiões menores de idade.

Os delitos cometidos nas redes sociais cresceram de forma alarmante na Espanha e situam-se já no terceiro posto dos casos abertos pela polícia tecnológica, só por trás da pornografia infantil ou as fraudes que se perpetram em Internet.

Fonte: Riesgos de Internet

Adolescentes dos EUA enviam já mais de 100 mensagens de texto cada dia

telasamigas-ilustracao-telemoveis-celulares

O Pew Internet Research Center acaba de publicar um estudo (2011 Teens and Digital Citizenship Survey) a respeito do uso dos smartphones e o envio de SMS pelos adolescentes estadounidenses que revela dados interessantes.

Assim, o estudo indica que o envio de mensagens de texto é maioritariamente um hábito masculino, embora as garotas mais maiores seguem superando a todos e enviam em torno de 100 mensagens ao dia (o duplo que os garotos de sua idade). Os adolescentes de 14 a 17 anos passaram de enviar uma média de 60 em 2009 a 100 mensagens ao dia dois anos depois.

Fonte: RIESGOS EN INTERNET