Dentre os jovens brasileiros que sofrem ciberbullying, apenas 30% contam aos pais

telasamigas-ilustracao-menina-mae-riscos-computador-internet

Uma pesquisa realizada para a McAfee entre junho e agosto de 2012, consultou 401 jovens de 13 a 17 anos e 414 pais de São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Salvador, aponta que 28% de 13 a 15 anos afirmam já ter interagido com meninos(as) na Rede de formas que não gostariam que seus pais soubessem. Na mesma faixa etária, 18% dos entrevistados afirmam que já tiveram acesso a conteúdos de natureza sexual.

Um quarto das meninas afirma se informar sobre gravidez e DSTs na Web. Esse dado pode ser interpretado de duas formas: é positivo, no sentido da busca de informação, mas pode significar também que essas jovens não têm orientação em casa ou na escola sobre tais assuntos e por isso recorrem à Internet onde também pode que achem sites pouco confiáveis para se informar.

O psiquiatra Jairo Bouer, especialista em comportamento jovem, acredita que a busca de informações por conta própria faz parte do processo de amadurecimento do jovem, mas quando os pais ensinam onde e como fazer essa busca, há chance do filho adotar um padrão de comportamento mais seguro na internet quando chega à adolescência. “Se a gente começar esses diálogos mais cedo, tanto sobre sexualidade, uso de substâncias, quanto sobre a Internet, fica mais fácil lidar com essas questões e discutir limites. O mesmo limite que imposto aos filhos na vida real deve ser colocado na internet”, diz.

De acordo com a pesquisa, 45% dos meninos conversam com desconhecidos e 28% das meninas já saíram de uma sala de bate-papo aberto para entrar em uma conversa particular com alguém que conheceram na Internet.

A pesquisa também mostrou que, dentre os jovens que afirmam já terem sofrido ciberbullying, apenas 30% contaram aos pais. Do total de jovens entrevistados, 34% afirmam ter presenciado esse tipo de agressão virtual, enquanto apenas 20% dos pais afirmam que seus filhos presenciaram a prática.

Quase metade dos jovens (45%) afirma que mudariam seu comportamento na Internet se soubesse que estavam sendo monitorados pelos pais, e 37% dos meninos afirmam saber como esconder os pais o que fazem na rede.

Do lado dos pais, as principais causas apontadas para a falta de acompanhamento dos filhos foi o conhecimento limitado de tecnologia (48% dos pais acreditam que seus filhos entendem mais de tecnologia do que eles) e a falta de tempo para tal acompanhamento (33%).

Fonte: Veja

Recomendam educar sobre o sexting nas escolas para evitar práticas sexuais de risco

sexting-e-drogas

Um estudo da Universidade do Sul de Califórnia, dirigido por Eric Rice e publicado na revista Pediatrics, associa o sexting entre adolescentes com uma maior probabilidade de um comportamento sexual de risco.

Os pesquisadores basearam-se em um amplo questionário a 1.839 estudantes de instituto em Los Angeles. O 12% do total de estudantes reconheceu ter enviado alguma mensagem ou uma foto de sexo explícito e quase o 54% assegurou conhecer a alguém que fazia estas práticas de sexting.

O estudo indica que as garotas que enviam fotos nuas com seu celular eram as que mais provável era que tivessem também um relacionamento sexual de risco, que tivessem relacionamento com vários namorados ou que consumissem álcool e drogas antes de praticar o sexo. Este vínculo com práticas de risco confirma as advertências de um anterior estudo do Centro de Investigação sobre Delitos contra os Meninos, da Universidade de New Hampshire e outro da Universidade de Texas.

A conclusão dos autores do estudo é que o sexting mais que um substituto do sexo físico, faz parte de um conjunto de práticas sexuais de risco entre os adolescentes. Recomendam aos médicos que falem do sexting com os garotos de uma maneira amistosa como maneira de introduzir o debate sobre as práticas de risco em general com o fim de prevenir doenças de transmissão sexual e gravidezes não desejadas, bem como introduzir o sexting e seus riscos na educação sexual nos colégios.

Fonte: Riesgos en Internet