Cyberbullying ocorre mais entre ex-amigos e ex-namorados, afirma estudo

ilustracion-ilustracao-cyberbullying-apaisada-com-lenda

De acordo com um estudo sobre cyberagressão publicado pela Universidade Pública da Pensilvânia e pela Universidade da Califórnia, o cyberbullying ocorre, na maioria das vezes, entre amigos, ex-amigos e colegas de sala, embora não seja comum entre desconhecidos. Também acontece entre casais de ex-namorados.

Os homossexuais também têm grandes possibilidades de se tornarem vítimas, como já haviam mostrado estudos anteriores, e é também mais comum que aqueles que se tornem vítimas sejam relativamente populares, enquanto as pessoas mais marginalizadas e menos populares não sofram tanto cyberbulliyng (pelo fato destas terem menos amigos/conhecidos, e por tanto menos chances de serem perseguidos).

A relação de amizade mencionada no estudo não precisa ser necessariamente recente (não precisam ser amigos atualmente), mas havendo uma relação de amizade anterior se torna mais fácil saber como causar danos à vítima, indica este estudo.

Fonte: Ciberbullying.com

O sexting já é algo rotineiro para os garotos britânicos de 13 e 14 anos, diz estudo

sexting-in-the-uk-telasamigas

Um novo estudo qualitativo sobre o sexting realizado pela Universidade de Plymouth (Reino Unido) e o centro Safer Internet do Reino Unido com o apoio da NSPCC entre 120 estudantes de 13-14 anos, e 30 de 10-11 anos, deu as seguintes conclusões:

  • O sexting é uma actividade normalizada e rotineira para as crianças de 13-14 anos.
  • Os garotos não pedem ajuda aos adultos porque temem que não se aceite seu comportamento.
  • Os garotos acham que os problemas do conteúdo sexual (tanto pornográfico como o que eles mesmos geram através do sexting) deveriam ser tratados na escola e de fato mostram interesse por falar disso. No entanto, não costumam falar com seus professores quando lhes surge algum problema deste tipo.
  • Os menores de 10-11 anos parecem estar a salvo do conteúdo sexual na Internet.

A diretora da National Society for the Prevention of Cruelty to Children (NSPCC) diz que se começa a constatar que o pornô duro (hardcore porn) se consome de forma regular e rotineira entre os menores, e isto está levando a que gerem e compartilhem sexting que imite o tipo de comportamento sexual reproduzido nesse gênero. Incide em que há que ensinar aos menores a que se respeitem eles mesmos, e a que respeitem os demais e que a educação sobre estes assuntos deve começar na escola primária.

Fonte: Medical Xpress vía Riesgos en Internet.

Dicas animadas para a prevenção do sexting (em espanhol)