27% dos usuários de celulares armazenam senhas no aparelho

telefones-celulares-e-privacidade-estudo-universidade-berkeley-2012

Smartphones armazenam uma grande quantidade de dados pessoais valiosos, fotos, vídeos, e-mail, textos, dados de aplicativos, localizações de GPS e hábitos de navegação na internet, que está cada vez mais caindo nas mãos dos anunciantes, fabricantes de aplicativos, policiais e bandidos.

Uma pesquisa publicada recentemente pela por pesquisadores de leis da Universidade da Califórnia, em Berkeley, sugere que também há uma significativa desconexão entre a percepção de muitas pessoas da segurança e privacidade dos dados em seus smartphones e a realidade.

Alguns dos preocupantes dados da pesquisa:

  • 75% armazenam fotos ou vídeos no celular.
  • 27% gardam passwords de sites que visitam com o seu smartphone.
  • 24% gardam nel informações acerca de onde se encontram ou onde estiveram.

A maioria das pessoas entrevistadas para o estudo disseram acreditar que a policia precisa de permissão especial para acessar informações em um telefone. Na verdade, a polícia pode adivinhar uma senha para desbloquear um aparelho confiscado e pode representar o proprietário do telefone, enviando textos, se o telefone está desbloqueado. Nenhuma das atividades foi impedida pelos tribunais.

Os autores do estudo concluem que é precisso as autoridades presionarem mais duramente as empresas para evitar recolhida excessiva de informação pessoal de clientes e usuários.

Fonte: SSRN via Technology Review.

Reconhecimento facial do Facebook preocupa autoridades norueguesas

automarcado-fotos-reconhecimento-facial-redes-sociais

Aplicaçoes de reconhecimento facial e automarcadoA companhia de Mark Zuckerberg está sendo pesquisada na Noruega. As autoridades desse país (a Norwegian Data Protection Authority, Autoridade de Proteção de Dados da Noruega) encontra-se estudando a programação do sistema de reconhecimento facial de Facebook. A razão: Uma possível ameaça à segurança dos cidadãos.

Conforme o organismo, os usuários poderiam ser monitorizados pela empresa, o qual seria uma grave violação à privacidade segundo as leis norueguesas. Para o responsável de proteção de dados do Datatilsynet, Bjørn Erik Thon, esta aplicação —ativa desde 2011— é muito potente e não está claro como é que funciona.

A aplicação sugere nomes das pessoas para que os marquemos sobre os rostos que consegue identificar nas fotografias. A companhia afirma que as caraterísticas são compatíveis com a legislação da União Europeia e que os usuários conhecem seu sistema e o podem desativar.

Fonte: Clases de periodismo vía MARCAÇÕESsempermissãoNÃO.

Mais informação relacionada