Recomendam educar sobre o sexting nas escolas para evitar práticas sexuais de risco

sexting-e-drogas

Um estudo da Universidade do Sul de Califórnia, dirigido por Eric Rice e publicado na revista Pediatrics, associa o sexting entre adolescentes com uma maior probabilidade de um comportamento sexual de risco.

Os pesquisadores basearam-se em um amplo questionário a 1.839 estudantes de instituto em Los Angeles. O 12% do total de estudantes reconheceu ter enviado alguma mensagem ou uma foto de sexo explícito e quase o 54% assegurou conhecer a alguém que fazia estas práticas de sexting.

O estudo indica que as garotas que enviam fotos nuas com seu celular eram as que mais provável era que tivessem também um relacionamento sexual de risco, que tivessem relacionamento com vários namorados ou que consumissem álcool e drogas antes de praticar o sexo. Este vínculo com práticas de risco confirma as advertências de um anterior estudo do Centro de Investigação sobre Delitos contra os Meninos, da Universidade de New Hampshire e outro da Universidade de Texas.

A conclusão dos autores do estudo é que o sexting mais que um substituto do sexo físico, faz parte de um conjunto de práticas sexuais de risco entre os adolescentes. Recomendam aos médicos que falem do sexting com os garotos de uma maneira amistosa como maneira de introduzir o debate sobre as práticas de risco em general com o fim de prevenir doenças de transmissão sexual e gravidezes não desejadas, bem como introduzir o sexting e seus riscos na educação sexual nos colégios.

Fonte: Riesgos en Internet

Garoto de 19 anos é condenado no Reino Unido por filmar e ter sexo com menor que conheceu no Facebook

condenado-por-sexting-e-sexo-com-menor-de-13-anos-reino-unido

Um adolescente de 19 anos foi condenado a prisão por se ter filmado tendo sexo com menina de 12 anos que conhecera no Facebook quando ele tinha 18. Após trocarem mensagens na rede social o garoto convidou a jovem a visita-lo em sua casa quando os pais estavan fóra.

Ela acedeu a se espir e ele a gravou com seu celular enquanto tomava parte em atos sexuais com ele. No julgamento foi demonstrado que ele conhecia a idade da menor (por certo, por baixo da idade mínima permitida no Facebook) e que houvera elementos de grooming no modo em que ele a seduciu.

A mãe da garota chamou a polícia após achar mensagens sexualmente explícitas (sexting) no celular dela. Os detetives que confiscaram o computador e celular do jovem acharom as mensagens trocadas pelo Facebook, 168 fotografias explícitas que a menina lhe enviara e a gravação dos dois fazendo sexo.

Apesar de que se provou que as relações foram consentidas, a lei britânica considera que não é válido o consentimento quando a menor ou o menor tem menos de 13 anos. O juiz afirmou que os 6 anos que separam os dois não permite alegar que sejam de idades aproximadas.

Fonte: Midweek Herald 24

O sexting é algo normalizado entre os jovens da «geração Internet»

sexting-study-sph-umich-edu

Segundo um estudo dado a conhecer pela Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, a prática do sexting pode ser algo normal entre os que cresceram com Internet e outras tecnologias digitais, e uma prática «saudável» dos relacionamentos modernos.

O estudo, que é o primeiro em focar sobre o impacto do sexting na saúde, foi efetuado sobre 3.447 mulheres e homens de 18 a 24 anos (jovens adultos) e descartou que nestas idades exista relacionamento do sexting com comportamentos sexuais arriscados ou com problemas psicológicos. Os autores do estudo advertem de que as histórias negativas em torno do sexting costumam se dar entre adolescentes e preadolescentes, um grupo mais jovem que o que analisaram neste estudo.

O estudo revelou também que quase a metade dos participantes realizavam sexting, maioritariamente de tipo recíproco (receber e também enviar sexting).

Entre os problemas cujo relacionamento com o sexting se pretendia analisar —dentro do contexto do impacto da tecnologia sobre a sexualidade e a saúde— figuravam: o sexo sem proteção, a depressão, a ansiedade e a baixa auto-estima.

O estudo foi produzido conjuntamente pelo Laboratório de Sexualidade e Saúde e o Centro de Investigação para a Prevenção, ambos parte da Escola de Saúde Pública da Universidade de Michigan, e será publicado proximamente no Journal of Adolescent Health.

Fonte: Riesgos en Internet

Mais sobre o sexting

A metade dos adolescentes dos Estados Unidos recebe pedidos para fazer sexting

sexting-02-telemoveis-telefones-celulares-ilustracao-COPYRIGHT-telasamigas-EDEX-CRC

Um estudo publicado nesta semana e realizado pela University of Texas – Medical Branch Health entre adolescentes de 14 a 19 anos que estudavam em institutos públicos dos EUA, revelou que mais de 1 quarto dos adolescentes enviara uma foto de si mesmos nus por meios eletrônicos, que a metade recebia pedidos para o fazer e que 1 em cada três realizava tais petições. O estudo também mostrou que o mais comum é que os garotos lho peçam às garotas (ao 27% delas lhes molesta muito) e que os que realizam sexting coincidem em maior número com os que saem com alguém e também com os que mantêm relacionamentos sexuais. No caso das garotas o estudo relaciona-o com práticas como o consumo de álcool ou drogas antes do sexo ou o sairem com múltiplos garotos.

O estudo, que foi publicado na revista Arquive of Pediatrics & Adolescent Medicine, inclui recomendações para que se suavizem as consequências legais do sexting consentido, porque se extrapolarem os dados do estudo, advertem os autores, vários milhões de adolescentes poderiam ser acusados de pornografía infantil por causa do sexting. Também se dirige aos pediatras, para que estejam atentos a este comportamento como possível indicador de riscos sexuais e devido ao muito tempo que passam os adolescentes utilizando os denominados meios sociais.

Fonte: Sexting.Wordpress.com

Recorde os conselhos animados da TelasAmigas a respeito do sexting (em espanhol):

Não o gere

Não o retransmita

Não o solicite

Mais informação e dicas em Sexting.es (em espanhol). E as últimas notícias de diversas fontes acerca do sexting em Stop-Sexting.info.

Hipersexualização de menores: meninas de só 11 anos participam em sessões de cybersexo via webcam

estupro-online

A ONG britânica Family Lives publicou ontem um relatório sobre sexualização e hipermasculinidade dos meninos. Este estudo indica entre outros dados que existe uma tendência em crescimento de violações entre meninos.

Os meninos varões, segundo o estudo, percebem que as meninas com pouca roupa merecem ser violadas, e que a violência contra as mulheres é aceitável.

O estudo também adverte de que meninas de 11 anos participam em sessões sexuais através da webcam.

Os autores do estudo achacam estes fenômenos à pornografia facilmente acessível on-line e a que os pais não fazem o suficiente para evitarem que acedam a este tipo de conteúdo. Outros estudos centrados no sexting entre menores e que analisam suas causas ou motivações, ressaltaram os possíveis efeitos da atual cultura audiovisual presente na TV, na música, etc. sobre estes fenômenos de machismo e hipersexualização.

Fonte: Violencia Sexual Digital

Notícias relacionadas

Investigação jornalística revela o lado sexual do Habbo, o jogo social on-line para adolescentes

12_habboscreengrab2_620_A11

A popular rede social (e jogo on-line multijogador) Haboo, viu-se envolvida em um escândalo depois de revelar o canal britânico Channel4 o acosso sexual a que se vêem submetidas as meninas em dito meio e os riscos que implica.

Orgías en HabboO site do jogo social on-line mais utilizado pelos adolescente a nível mundial (10 milhões de visitas únicas a cada mês) foi objeto de um estudo por parte de uma jornalista que o utilizou durante dois meses fingindo ser uma preadolescente de 11 anos. Para sua surpresa, a moderação do jogo permitia numerosas interações e batepapos de uma natureza explicitamente sexual e em ocasiões inclusive violenta e ameaçante. A jornalista pôde ver interações sexuais entre outros avatares e recebia constantes petições para ativar sua webcam e despir-se, perguntando se queria vê-los masturbar-se, ou para conversarem por médio de serviços como MSN ou Skype, ou simplesmente dizendo-lhe que a iam seguir a seu quarto no hotel virtual e ter sexo com ela. De 50 vezes que jogou, em todas recebeu este tipo de pedidos. Aliás a jornalista afirmou ter a sensação de que isso era a norma no jogo e que era precisamente ao que iam buscando os jogadores que o utilizavam.

Fonte: Riesgos Internet

Instagram converte-se em cenário para a difusão do sexting

hotstagram-sexting-instagram

O Instagram está cheio de mulheres que acumulam milhares de seguidores publicando fotos suas em poses provocantes. De olho nelas, un garoto de 27 anos decidiu criar o Hotstagram, serviço que promove um concurso com o objetivo de encontrar a garota —e o rapaz— mais sexy da rede social.

Ao entrar no site, o usuário se depara com um ranking com as primeiras colocadas. Muitas das fotos são auto-produzidas diante dum espelho, uma forma muito frequente de sexting. A competição se desenvolve por meio de duelo entre parelhas de imagens de diferentes candidatas. Para fazer a seleção das fotos, o autor do site indexou algumas contas e hashtags. Não se sabe como filtra (se filtrar) as que poderem ser fotos de menores de idade.

Fonte: Info online e TelasAmigas.

Últimas notícias de diversas fontes acerca do sexting em Stop-Sexting.info.

Sexting: mais de 25 mil usuários assitiram na Twitcam a jogos sexuais de casal adolescente

toddy-sexo-e-restart-375x218

Por volta da meia noite de 24 de julho, um adolescente de 16 anos e sua namorada de 14, começaram a praticar a nova moda do Sexting na Twitcam – TV ao vivo do Twitter. Por alguns minutos, mais de 25 mil usuários do microblog puderam assistir à garota ser molestada de forma consensual.

Enquanto se anunciava que a polícia ia investigar o adolescente, ele criou outra conta no twitter com acréscimo de uma letra e abriu novamente sua twitcam. A garota respondia algumas perguntas da legião dos adolescentes que correram para a Twitcam da nova conta do adolescente, transformado em mito da noite para o dia. Na rede é assim, num clique se apaga uma conta e num outro se cria uma nova.

Fonte: GLOBAL VOICES