Telefones celulares e redes sociais, novos âmbitos do cybercrime

Symantec publicou os dados de seu Estudo Sobre Cybercrime Norton 2012 sobre como afeta o cybercrime aos consumidores e como a adoção e evolução das novas tecnologias impacta na segurança das pessoas. Dos resultados do estudo, obtidos de uma mostra de 13.000 internautas adultos em 24 países, selecionamos alguns dados de especial relevância:

  • A cada segundo, 18 adultos são vítimas de cyberdelitos: isto é, mais de um milhão e médio de vítimas a cada dia em todo mundo.
  • As perdas médias a nível mundial por vítima são de 152 euros em custos financeiros diretos.
  • Nos últimos 12 meses, cerca de de 556 milhões de adultos no mundo experimentaram algum cyberdelito, cifra que supera à população total da União Europeia.
  • O 46% dos internautas adultos foram vítimas do cybercrime nos últimos 12 meses.
  • Um em cada cinco adultos (21%) foi vítima de cybercrime em redes sociais ou através do dispositivo móvel, e o 39% dos usuários de redes sociais foram vítimas de cybercrime social.
  • O 15% dos usuários de redes sociais informa que alguém acedeu sem permissão a seu perfil e se fizeram passar por eles.
  • O 10% afirma que foram vítimas de ligações fraudulentas nas redes sociais.
  • O 44% utiliza uma solução de segurança para que os proteja de ameaças nas redes sociais.
  • O 49% utiliza a configuração de privacidade para controlar que informação compartilham e com quem.
  • Quase um terço (31%) dos usuários de celulares receberam uma mensagem de texto de alguém que não conheciam pedindo que acedessem a um determinado enlace ou marcassem um número desconhecido para escutar uma mensagem de voz.
  • O 27% dos internautas adultos recebeu uma mensagem dizendo-lhes que sua senha do e-mail fora mudada.

Fonte: Riesgos en Internet

27% dos usuários de celulares armazenam senhas no aparelho

Smartphones armazenam uma grande quantidade de dados pessoais valiosos, fotos, vídeos, e-mail, textos, dados de aplicativos, localizações de GPS e hábitos de navegação na internet, que está cada vez mais caindo nas mãos dos anunciantes, fabricantes de aplicativos, policiais e bandidos.

Uma pesquisa publicada recentemente pela por pesquisadores de leis da Universidade da Califórnia, em Berkeley, sugere que também há uma significativa desconexão entre a percepção de muitas pessoas da segurança e privacidade dos dados em seus smartphones e a realidade.

Alguns dos preocupantes dados da pesquisa:

  • 75% armazenam fotos ou vídeos no celular.
  • 27% gardam passwords de sites que visitam com o seu smartphone.
  • 24% gardam nel informações acerca de onde se encontram ou onde estiveram.

A maioria das pessoas entrevistadas para o estudo disseram acreditar que a policia precisa de permissão especial para acessar informações em um telefone. Na verdade, a polícia pode adivinhar uma senha para desbloquear um aparelho confiscado e pode representar o proprietário do telefone, enviando textos, se o telefone está desbloqueado. Nenhuma das atividades foi impedida pelos tribunais.

Os autores do estudo concluem que é precisso as autoridades presionarem mais duramente as empresas para evitar recolhida excessiva de informação pessoal de clientes e usuários.

Fonte: SSRN via Technology Review.

Justiça condena pais de duas garotas por cyberbullying numa rede social

A Justiça de Ponta Grossa condenou os pais de duas amigas adolescentes a pagar uma indenização de R$ 15 mil, pelo crime de cyberbullying contra uma colega, que estudava no mesmo colégio particular. O caso aconteceu no primeiro semestre de 2010, mas somente nesse mês de fevereiro houve o veredicto, ainda em primeira instância.

As duas amigas, munidas da senha do perfil da vítima, invadiram o Orkut da colega, substituíram fotos da menina por imagens pornográficas, e ainda postaram mensagens com frases de cunho sexual, recheadas de palavrões. Na época do ocorrido, as duas jovens tinham entre 13 e 14 anos.

A adolescente que teve o perfil invadido —e o irmão dela, que também estudava no mesmo colégio— passaram a ser motivo de chacotas dos demais alunos, o que fez com que o rendimento escolar dos dois despencasse. Desconfiada com a mudança da aluna, uma professora conversou sobre o caso com a orientadora, que chamou a menor e a mãe para uma conversa, na qual tudo foi exposto e esclarecido.

Fonte: PARANÁ ONLINE